DEMÔNIOS


E, tendo chegado ao outro lado, à província dos gadarenos, saíram-lhe ao encontro dois endemoninhados, vindos dos sepulcros; tão ferozes eram que ninguém podia passar por aquele caminho. E eis que clamaram, dizendo: Que temos nós contigo, Jesus, Filho de Deus? Vieste aqui atormentar-nos antes do tempo? E andava pastando distante deles uma manada de muitos porcos. E os demônios rogaram-lhe, dizendo: Se nos expulsas, permite-nos que entremos naquela manada de porcos. E ele lhes disse: Ide. E, saindo eles, se introduziram na manada dos porcos; e eis que toda aquela manada de porcos se precipitou no mar por um despenhadeiro, e morreram nas águas. Os porqueiros fugiram e, chegando à cidade, divulgaram tudo o que acontecera aos endemoninhados. E eis que toda aquela cidade saiu ao encontro de Jesus e, vendo-o, rogaram-lhe que se retirasse dos seus termos. 
Mateus 8:28-34

O Evangelho do Domingo passado nos ensinou uma lição sobre a  mais profunda humildade, quando nos foi apresentado o centurião romano que clamou ao Cristo para  curar seu servo.  Já  o Evangelho deste Domingo  nos dará uma lição sobre aquilo que não  devemos fazer, mas sim, ao contrário, vai nos mostrar aquilo que justamente devemos evitar, aquilo  que não devemos fazer.  O Evangelho do Quinto Domingo após o Pentecostes  nos mostra a realidade impressionante da existência do poder do mal.


Nesses nossos dias, tal realidade não exige  mais provas, pois a cada dia, vemos noticiadas uma lista de crimes que simplesmente não podem ser explicados sem que se reconheça que algumas  pessoas estão possuídas por um poder externo: o mal. O Evangelho deste Domingo nos apresenta um  quadro terrível: dois endemoninhados saíram dos túmulos " tão ferozes eram que ninguém podia passar por aquele caminho" (Mt 8:28).

Cristo permitiu que os demônios possuíssem  um enorme rebanho de porcos, e nisso os homens possessos foram curados, mas todo o rebanho de suínos saltou do precipício para o mar.  Que força terrível! A força real e evidente do mal! Mas então o registro assustador não para neste evento. Eis que então é registrado no  último versículo do Evangelho: "E eis que toda a cidade saiu ao encontro de Jesus" (Mt 8:34). Então neste instante é natural imaginar que toda a cidade tenha se unido, para juntos e com fé, aclamar o Senhor.   E então é natural imaginar, que igualmente aos Samaritanos, os homens daquela cidade tenham se reunido para pedir ao Senhor para permanecer com eles, para agradecê-lo pela cura de dois dos seus habitantes... Contudo, não foi isso o que aconteceu. Eles, os habitantes reunidos, pediram sim, para o Senhor ir embora ! Então, com toda a certeza, esta é a passagem mais terrível deste Evangelho.  Primeiramente os demônios eram dois homens. Contudo, mais tarde foi possível constatar que toda a cidade estava possuída. Por demônios ?

Não...Estava toda ela possuída pela  paixão pelo lucro ! De acordo com a lei judaica, a comercialização de porcos era ilegal, algo pecaminoso. Mas ainda assim, tal comercio "ilegal" fazia gerar muito dinheiro.  Como vimos,  um rebanho inteiro foi perdido.  Então, essas pessoas pareciam estar dizendo ao Senhor: "Você só está de passagem em nossa terra e nos causou um prejuízo tão  terrível, imagine o que vai acontecer se você ficar aqui por mais tempo...Vai arruinar completamente....Você nos entende ? Ok, nos vimos o seu poder, pois  até os demônios são obedientes a ti, mas qual é o peso real que isso tem para nós ? Dois homens curados não pagam os prejuízos....Vá embora, por favor, nós não precisamos dos seus milagres, precisamos de dinheiro...Você não tem, não é ? Então vá embora..." Irmãos e irmãs, vamos então examinar a nossa alma. O mesmo não acontece conosco tantas vezes ? Algum tipo de paixão toma posse de nós, e então Cristo torna-se um obstáculo. 

E então, desejosos de manter a nossa paixão reinando (por nos dar prazer, lucro, ou qualquer contentamento mundano), nós  sussurramos em nossa alma as mesmas palavras terríveis: "Vá embora !"

Relacionados aos seus interesses

0 comentários