Prólogo


No princípio Deus criou o seu exército de luz e separou a luz das trevas. A luz veio ao mundo para iluminar e salvar os que estavam perdidos. As trevas se levantaram contra os filhos da luz, e este combate entre a luz e as trevas durará até os finais dos tempos.

Esta batalha se dá de três modos que são o mundo, a carne, e satanás. Todos os homens quando nascem estão sujeito a esta realidade, ha homens que enxergam de fato esta batalha, e outros que não querem enxergar preferindo ficar no mundo da fantasia.

O verbo se fez carne e habitou entre nós, ou seja, Jesus Cristo se tornou homem no seio da Virgem Maria, ele veio combater como homem e vencer o mundo a carne e satanás, ele passou pelas mesmas provações que nós, com exceção do pecado. Sendo ele de condição divina, não se prevaleceu de sua igualdade com Deus, mas aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-se aos homens. E, sendo exteriormente reconhecido como homem, humilhou-se ainda mais, tornando-se ainda mais obediente até a morte, e morte de cruz.

Neste bom combate, é preciso ter o conhecimento de si mesmo para ser vitorioso, não se vence o inimigo se não vencer a si mesmo, é necessário saber quem tu és para compreender com quem lutas o verbo é quem nos ilumina para obtermos o autoconhecimento.
O soldado de Jesus Cristo deve está revestidos da armadura de Deus para que possas resistir às forças do mal. Este combate não é contra homens de carne e sangue, mas contra as forças espirituais da mal espalhada nos ares.

A diferenciação do soldado de Jesus Cristo é o amor, porque só quem ama conhece a Deus. As armas do amor são: verdade, justiça, paz e salvação que vem do verbo encarnado.
No combate espiritual o soldado cristão, tem certeza que é um peregrino nesta terra, pois em meio às perseguições e provações que o mundo nos apresenta ele busca o sumo bem por excelência o nosso grande salvador Jesus Cristo.

Os soldados da verdade terão na boca a espada inflamada de dois gumes da palavra de Deus; em seus ombros ostentarão o estandarte ensangüentado da cruz, em sua mão direita, o crucifixo na esquerda o rosário, no coração os nomes sagrados de Jesus e da Virgem Maria, e, em toda a sua conduta, a modéstia e a mortificação de Jesus Cristo, completando na carne o que faltou as tribulações de Cristo vivendo este mistério no corpo místico da santa igreja, coluna e sustentáculo da verdade.


Ir.Trovão

Relacionados aos seus interesses

0 comentários